Blog

26 Abr

Avaliação Técnica/Certificação e Manutenção em Capelas de Exaustão Química

Dada a sua importância nos laboratórios e o incessante uso, uma capela de exaustão química deve estar sempre em dia com o funcionamento. Caso não esteja em pleno desempenho, como já vimos em outro post, o equipamento pode expor gases nocivos, tóxicos, derramamento de produtos químicos e até fogo ao ambiente externo, comprometendo não só o restante da área laboratorial e suas atividades, como também os indivíduos presentes.

A avaliação técnica e certificação de capelas se dispõem como procedimento imprescindível para garantir as adequações necessárias para que a capela esteja funcionando de acordo com as normas e regras de segurança laboratorial. No Brasil, não existem normas de segurança e de uso específicos. Por conta disso, utiliza-se como referência as diretrizes internacionais e nacionais referentes a áreas limpas e ergonomia, por meio das normas OSHA 2016, ACGIH, NIOSH, NBR 14.644-1, NFPA 45, NSF 49, EN14175, ANSI/AIHA Z9.5-2003, ANSI/ASHRAE 110:1995, NR 15 E NR 17. Tal procedimento fica a cargo de engenheiros e técnicos aptos para realização dos testes, medições e inspeções de vários indicativos, acompanhado de um relatório de avaliação do equipamento.

Na certificação de capelas, é essencial que todo procedimento seja feito de forma sistemática, garantindo que o equipamento de proteção esteja apto para uso. Os parâmetros analisados são: medição de velocidade de face (m/s); teste de fumaça para inspeção do fluxo de ar; medição de nível de ruído (dB); medição de intensidade de luz (Lux); inspeção mecânica e eletroeletrônica; inspeção estrutural e sistema de exaustão (duto e exaustor); emissão de relatório de avaliação técnica e rastreabilidade de instrumentos.

Após a completa avaliação técnica, é possível verificar quais são os ajustes e manutenções necessárias. As duas formas viáveis de manutenção de uma capela de exaustão são a corretiva e a preventiva. A primeira ocorre quando o aparelho já apresenta uma falha ou pane e necessita de reparos para retomar o pleno funcionamento com máxima eficiência sem oferecer riscos à saúde humana. Por exigir maior tempo e cuidado para realização, trata-se de uma manutenção mais cara e indesejada pelas empresas, que pode se ver até na necessidade de substituição precoce de uma capela.

A manutenção preventiva, por sua vez, surge justamente para minimizar as possibilidades de existência da corretiva, pois é feita regularmente com o intuito de checagem - isto é, mesmo que os equipamentos não apresentem nenhum problema à primeira vista. Fazendo-a, o laboratório pode ter mais segurança quanto ao prosseguimento de suas atividades, diminuindo assim, o custo em manutenções e também o prazo para conserto. Essa se torna, então, uma opção mais econômica e saudável para qualquer organização.

De qualquer forma, a manutenção sempre será importante quando se trata de uma capela de exaustão, já que estamos falando de um equipamento de proteção coletiva (EPC) utilizado para lidar com gases nocivos e produtos químicos, que podem trazer riscos ao ambiente externo. Para fazê-la, é necessária uma equipe especializada. A LUTECH conta com equipe especializada e instrumentos de última geração para realização de Avaliação Técnica/Certificação e Manutenção em Capelas de Exaustão Química. 


Deixe um comentário


Notícias Relacionadas